Vacinação dos servidores do sistema prisional começa nesta segunda dia 5
Os servidores devem fazer cadastro prévio e procurar a unidade de lotação para mais informações. A SAP diz que há 67 mortos por Covid-19, mas o Sindcop aponta que os números reais vão muito além dos números oficiais do governo.
Postado em : 01/04/2021



Carlos Vítolo

Imprensa Sindcop

 

Nesta segunda-feira (5) terá início a vacinação contra a Covid-19 dos servidores da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). De acordo com informações da SAP, a vacinação será feita pelas equipes de saúde que atuam nas próprias unidades prisionais, atingindo os 178 presídios do estado e mais de 30 mil servidores.

Na primeira etapa de vacinação, serão imunizados os servidores que atuam na linha de frente. A SAP orienta para que os servidores procurem a unidade de lotação para obter informações sobre possíveis dúvidas em relação à vacinação.

A secretaria destaca ainda, que os servidores devem fazer o cadastro prévio pelo site https://vacinaja.sp.gov.br  para agilizar a vacinação na unidade prisional.

 

Alta mortes nos presídios de SP

 

No sistema prisional de São Paulo, policiais penais e demais servidores estão cada vez mais preocupados com o total de mortos entre os funcionários, que já chegou a 67, segundo boletim publicado pela Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) nesta quinta-feira (1º).

Apesar do número apresentado pela SAP, o Sindcop aponta que há que casos não registrados na contagem do informativo da secretaria, e que o total de servidores mortos é de 71.

Para o presidente do Sindcop, Gilson Pimentel Barreto, os números aumentam a cada dia. “No nosso entendimento, os números reais, vão muito além dos números oficiais do governo”, disse. “Temos colegas morrendo de Covid-19 e que ainda não foram contabilizados porque aguardam exames, ou porque os exames foram feitos de forma particular, e não na rede credenciada”, apontou Barreto.

Segundo o presidente, isso foi dito pelo próprio secretário Nivaldo Restivo, em reunião com sindicalistas da categoria. “O governo somente contabiliza como casos confirmados de Covid-19, o que passar pela rede pública, pelas clínicas credenciadas, e que eles mesmos não tinham conhecimento de situações se não chegassem até eles”, disse o presidente.

Sobre os números, a reportagem do Sindcop questionou a SAP, no entanto, não recebeu resposta até o fechamento da reportagem.

 

Manifesto pela vacinação

A vacinação dos servidores do sistema prisional foi anunciada pelo governador João Doria (PSDB), em 24 de março, dois dias após uma manifestação realizada pelos policiais penais e demais profissionais da segurança pública em todo o Brasil.

Os policiais penais de São Paulo e demais servidores penitenciários cobraram a prioridade na vacinação, por meio da Operação Legalidade, onde demonstraram descontentamento em relação à falta de vacinas, tanto referente ao governo estadual quanto federal.

Ao fazer o anúncio, Doria disse que a expectativa é de que 180 mil profissionais sejam vacinados. Além dos servidores do sistema prisional, também serão vacinados policiais militares, bombeiros, civis e científicos, além de guardas civis metropolitanos.

 

Mortes por Covid-19 no sistema prisional tiveram crescimento de 190%

De acordo com um monitoramento realizado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), somente nos primeiros 67 dias do ano, ocorreram 58 mortes por covid-19 entre servidores e pessoas em privação de liberdade. O estudo apontou o total de 308 óbitos desde o início da pandemia.

Segundo os dados, de acordo com o CNJ, representam um aumento de 190% no registro de novos óbitos em relação ao último bimestre do ano passado, que teve 20 mortos, enquanto que 2021 começou com 250 mortes confirmadas.

Segundo o monitoramento, estabelecimentos do sistema prisional e unidades do sistema socioeducativo contam com 71.342 mil casos de Covid-19 desde o início da pandemia. Do total, são 64.189 casos nas unidades prisionais, contabilizando 48.143 presos e 16.046 servidores. Também, foram 1.629 adolescentes infectados em unidades socioeducativas e 5.524 servidores.

O documento também aponta dados sobre a realização de testes para detecção de Covid-19 em unidades prisionais e socioeducativas. Conforme o relatório, houve testagem em 18.654 adolescentes e 23.067 servidores, em estabelecimentos de 23 estados. Enquanto isso, o monitoramento destaca que nas unidades prisionais a testagem para a detecção da doença foi realizada em 254.105 pessoas presas e 66.199 servidores.





Desenvolvido e mantido por Logicomp Co.